Dieta do DNA: técnica leva em conta o código genético para emagrecer

O método consiste na análise de alguns genes, mas ainda não está completamente desenvolvido

Por Nathalie Ayres

Dieta do DNA leva em conta o perfil genético na hora de elaborar programa alimentar

Dieta do DNA leva em conta o perfil genético na hora de elaborar programa alimentar

Imagina fazer uma dieta personalizada de acordo com seu código genético? É isso que propõe a dieta do DNA, uma dieta que é feita conforme a análise dos genes de cada pessoa, trazendo mudanças personalizadas na alimentação e exercícios do indivíduo. Nessa análise são levados em conta os polimorfismos, alterações genéticas gerais de algumas populações, que fazem com que o organismo tenha alguma característica diferente.

A técnica é possível graças aos avanços do mapeamento genético e sequenciamento do DNA, que permitiram os geneticistas descobrir a função de diversos genes. No entanto, o geneticista Ciro Martinhago, diretor da Chromosome Medicina Genômica em São Paulo e membro da equipe de genética do Hospital Albert Einstein, acredita que os resultados da técnica ainda não sejam certeiros. “Existem muitos genes cuja função não conhecemos completamente e que podem inclusive interferir na expressão dos genes analisados nesses testes”, explica o especialista.

De qualquer forma, diversas clínicas no Brasil e exterior oferecem esse tipo de análise para quem estiver disposto a tentar. Entenda melhor como funciona essa dieta:

Por que ajuda a emagrecer?

Com a análise genética, a dieta do DNA consegue verificar quais mecanismos poderiam estar envolvidos com o aumento do peso e conduzir a dieta de acordo com essas informações, o que em teoria pode melhorar o emagrecimento. Por exemplo, algumas pessoas precisam consumir mais carboidratos para ficarem bem, portanto não devem cortá-los tanto na dieta.

Com o teste genético é possível entender melhor esse tipo de particularidade na hora de elaborar uma dieta. No entanto, ainda não se tem o conhecimento completo da relação entre o DNA e a regulação do peso, mas os avanços dos estudos possibilitarão condutas mais assertivas no futuro.

Além disso, é preciso levar em conta que só a genética não influencia completamente nas características físicas de cada um. Os fatores ambientais, como a alimentação e o estilo de vida, têm grande contribuição no desenvolvimento da obesidade. Por isso, dependendo da exposição aos fatores ambientais é possível o indivíduo apresentar uma característica oposta ao do perfil genético, e nunca vir a manifestar a condição, e vice-versa. Ou seja, os testes são mais uma previsão de um possível cenário, e não a constatação de uma condição do paciente.

Normalmente a dieta do DNA é adotada para pacientes com obesidade resistente, ou seja, que não conseguem emagrecer mesmo com o uso de medicamentos e mudanças na rotina alimentar. Nesses casos, a análise genética pode fornecer informações mais detalhadas sobre o paciente, esclarecendo algumas dificuldades que ele possa ter para emagrecer.

Confira os tópicos:

  • Como funciona a Dieta do DNA
  • Vantagens da Dieta do DNA
  • Desvantagens da Dieta do DNA
  • Riscos da Dieta do DNA
  • Recomendação

Acesse o link e fique por dentro – Saúde é coisa séria:

http://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/20250-dieta-do-dna-tecnica-leva-em-conta-o-codigo-genetico-para-emagrecer?utm_source=news_mv&utm_medium=alimentacao&utm_campaign=2916554

Fontes consultadas

Geneticista Ciro Martinhago, diretor da Chromosome Medicina Genômica em São Paulo e membro da equipe de genética do Hospital Albert Einstein
Endocrinologista Andressa Heimcheber, doutoranda em Endocrinologia e Metabologia pela Universidade de São Paulo (USP)

Geneticista Monica Yamada, nutrigeneticista do Centro de Genomas.

Compartilhe

Copyright © Guia Comercial Alfenas – Portal I9Minas (INOVE Minas) – Alfenas-MG - Guia Comercial Alfenas, Guia OnLine, I9 Alfenas, Portal i9 Alfenas